Analisando friamente nosso Mercado, o que temos de oportunidades para novos entrantes? Por incrível que possa parecer, temos algumas… O movimento das grandes empresas no cenário internacional, com a aquisição da Lexmark e da Static Control pela Apex, a divisão da HP, as ações da Canon no Brasil contra quebra de patentes em partes de cartuchos de toner, a maior preocupação da China com produtos qualificados, e algumas outras ações, até mesmo a parada de produção de pó de toner, bem como a vinda da Clover para o Brasil são alguns dos pontos que estão agitando positivamente nosso setor.

Então, para os entrantes, quais as dicas que podemos dar?

Primeiramente, procure um bom consultor do mercado para lhe auxiliar. Fato. Noto que várias empresas, desde o investimento em uma nova área quanto em um novo equipamento, não se preocupam em investir em uma consultoria, mesmo que seja breve, para auxiliar no processo, e se vêm com verdadeiros elefantes brancos nas mãos depois que tomam a decisão sem consulta. Não somos, nós consultores, donos da verdade, mas temos uma visão estratégica e do todo diferenciada dos que estão nos campos de batalha.

Segundo, foque. Estabeleça qual ou quais áreas irá atuar. Outsourcing de impressão continua em alta, mas a procura por produtos de alto desempenho está cada vez mais presente. As pessoas sabem o que é um produto de qualidade, sabem diferenciar de um recondicionamento malfeito de um feito com critérios e procedimentos.

Terceiro, pense em qualidade acima de tudo. Lembrando a Clover® e seu processo de reindustrialização… o que os coloca na vanguarda do Mercado é o fato de simplesmente esquecerem os processos tradicionais de tentativas de recuperação de peças. Tudo novo. Ponto. E vendem com uma margem de lucro boa e ainda assim com uma substancial diferença do novo OEM. Este é o caminho para quem quer entrar – qualidade – esqueça os processos vistos na internet e no youtube® de vídeos caseiros de como se recarrega este ou aquele produto. Crie procedimentos. E siga-os.

Quarto, crie uma boa equipe, concisa, focada, qualificada. Treine-a exaustivamente – e chame um consultor qualificado para isso – lembre-se, você não treina pessoas, os molda à sua vontade e aos seus vícios. E estes vícios são os que mantiveram a qualidade baixa do setor.

Quinto: colorido. Pense em cor. Pense em cartuchos coloridos. Desde que os cartuchos coloridos foram disponibilizados e a mais ou menos uma década se popularizaram, os remanufaturadores não conseguem fazê-los corretamente. Incompetência? Não acredito. Falta de conhecimento? Claro. Porém o mais importante que vejo nos coloridos é que você não pode fazê-los da mesma forma que faz um monocromático. E nem no mesmo local. Os coloridos exigem paciência, exigem suprimentos de primeira linha e exigem cuidados especiais na hora de manipulá-los. Está aqui um mercado inexplorado e ainda carente de bons cartuchos. Está aqui um Oceano Azul para seu novo negócio.

Sexto: equipamentos: dependendo do volume que planejou fazer, e que está evidenciado no seu plano de negócios (se ainda não o fez, me contrate), alguns equipamentos de fazem necessários. Equipamentos para encher cartuchos inkjet, aspiradores especiais ou cabines para os cartuchos de toner, impressoras e mais impressoras para os testes 100% – sim, temos que testar todos, a fim de termos certeza da alta qualidade dos nossos produtos – são itens essenciais em sua estrutura de produção. Mantenha limpo, mantenha organizado. E, por que não, mostrar a seus clientes e futuros clientes suas instalações? Não é visitando a cozinha que você descobre o segredo do Chef, mas sabe da qualidade do seu prato…

Sétimo: equipe comercial. Mesmo sendo uma equipe de uma pessoa, esta pessoa deve conhecer o produto. Cansei de ver pessoas da área comercial que não sabem o que é pó de toner. Treinamento aqui vale, e muito. Treinamento comercial vale, e muito. Mas não se pode esquecer de mostrar e constantemente reciclar sua equipe de vendas.

Estude a possibilidade de se associar às entidades de classe do setor. FEBRECI, SINDIRECICLA. Elas existem para fortalecer a Classe. A sua Classe.

Outra dica: temos visto que abrir demais o leque de produtos pode tirar seu foco nos negócios em si. Se você está querendo adentrar no recondicionamento como um negócio agregado ao seu, então reveja o que atualmente não lhe dá tanto lucro, e elimine-o do seu portfólio. Desapegar de alguns negócios pode parecer estranho, mas se prestar atenção aos números, verá que alguns dos produtos ou serviços não lhe trazem lucro e em alguns casos prejudicam a venda de outros.

A utilização do e-commerce também é algo a ser estudado no seu novo empreendimento. Que a Internet e suas ferramentas vieram para ficar, é um fato. E a velocidade com que novas ferramentas aparecem é espantosa. Alguns especialistas dizem até que saem mais ferramentas de comércio eletrônico que o próprio comércio pode absorver. Estude a ou as ferramentas que melhor lhe atendem no custo, mas que atinjam corretamente seu público-alvo. Novamente, seu plano de negócios irá norteá-lo para isso. Ficar “online” dá trabalho. Por experiência própria. Gerir uma empresa, cuidar de colaboradores, cuidar de novos negócios e ainda assim procurar tempo par gerar conteúdo para a mídia digital cansa… Especialistas também dizem que os sites de e-commerce hoje em dia têm que trazer conteúdo, não mais somente trazer o carrinho de compra. O cliente tem que se sentir à vontade na loja virtual, tem que se sentir convidado e, principalmente, reter-se tempo o suficiente para comprar.

História também ajuda. E nosso Mercado está lotado de cases de sucesso e de como não fazer as coisas. Procure nas revistas antigas, troque informações com os distribuidores de suprimentos, cheque informações dos mesmos distribuidores, faça sua pesquisa de campo e seja bem-vindo!

Fonte: MBA.